Arquivo do autor:edgardleal

Single page application com VueJS

VueJS

VueJS

VueJS é um framework Javascript reativo e é também conhecido como um framework progressivo, o que significa basicamente que você não vai precisar estudar toda a documentção do framework para começar a usar.

Vamos ver um exemplo básico com o mínimo preciso para ter um código VueJS funcionando:

Declaramos uma div simples com o id de nossa aplicação e com o template {{text}} que será substituido pelo valor da variável text.

  1. Na aba HTML importamos o código do framework do cdnjs
  2. Na aba Javascript criamos a instancia de nossa aplicação
  3. O parâmetro el é onde deve ser inormado um QuerySelector indicando onde a aplicação será renderizada.
  4. E por fim o parâmetro data que irá conter os valores utilizados em nossa aplicação, em nosso exemplo a variável text.

VueJS para usuários de JQuery

O jQuery tem um objetivo diferente do VueJS e por isso não devem ser considerados concorrentes, e por terem paradigmas muito diferentes, é recomendado que não sejam utilizados no mesmo projeto.

Enquanto o jQuery é uma ferramenta que tem como principal objetivo auxiliar na manipulação dirata do DOM ( HTML ) o VueJS se propoe a encapsular todo a manipulação do DOM. Neste momento surge a pergunta mais importante:

E como posso mudar a informação exibida na tela ?

O VueJS espera que seu desenvolvimento seja focado em  manipular os dados e não o html, sendo assim, sempre que você lterar os valores do campo data definido no setup de nossa aplicação o framework irá alterar automaticamente todos os pontos do html que fazem referencia a este valor.

O objetivo é que você não precise mais se preocupar com a renderização de seus dados sobrando tempo para se dedicar aos pontos mais importantes de sua aplicação.

Agora um exemplo demonstrando o framework fazendo este trabalho de “comunicação” dos dados da tela para o seu objeto e de seu objeto para a tela o que é conhecido como Two Way Data Bind.

Ex:

No exemplo acima, sempre que o iniput for alterado  o texto dentro do span será automaticamente alterado, mostrando a “reatividade” do framework.

Referencias:

VueJS no GitHub

Maven – Executando mas rápido

Maven

Maven

Por padrão o maven executa todos os teste unitários do projeto sempre que você executa o build ( package ) . O problema disto é que algumas vezes apenas precisamos atualizar a aplicação e em alguns dias fazemos isso milhares de vezes.

O maven nos da algumas opções para dinamizar esta execução.

Skiping tests:

Ao executar o maven informando o parâmetro “-Dmaven.skip.test=true” indica que o build deve ser executado sem os testes unitários.

Melhorando o tempo de execução do Maven

Seguem abaixo algumas dicas para melhorar o tempo de execução.

OBS: Algumas destas podem aumentar consideravelmente o uso de CPU.

Sem conectar a internet:

Temos também a opção de forçar o maven a trabalhar offline com o parâmetro “-o“. Por padrão todas as dependências do projeto são salvas localmente como em um serviço de cache, e sendo assim este parâmetro não fará muita diferença.

Ex.:

Para isto é recomendado que antes você execute o seguinte comando para que sejam baixadas todas as dependências e salvas no cache:

Sem logs:

Em algumas situações você pode não querer ver tudo o que o maven esta fazendo. Para isto temos a opção de executa-lo em modo “silencioso” com o parâmetro “-q”.

Ex.:

Multi thread:

É possível especificar a quantidades de threads serão utilizadas no processo de build. Este é um recurso que deve ser utilizado com cautela pois existem muitos fatore que podem influenciar no desempenho do build, como número de núcleos do processador, quantidade de submodulos do projeto e quantidade de tasks a serem executadas dentre outros fatores.

Fontes:

Site oficial

Vim programatico

Vim logo

vim

É possível utilizar o Vim de forma programática para realizar grandes tarefas de forma automatizada. Uma situação onde este recurso pode ser muito útil é na conversão do charset/encoding de arquivos sem perder os caracteres originais.

-S = indica o arquivo contendo o script

Exemplo de script:

  1. Define o encoding do buffer atual
  2. Define o encoding do arquivo atual
  3. Salva e fecha o arquivo

Um exemplo de utilização deste recurso seria modificar o charset de todos os arquivos .java de uma pasta:

O comando acima quando utilizado tendo na mesma pasta um arquivo de nome script.vim com o conteúdo de script mostrado acima, localiza dos os arquivos com a extensão .java contidos na pasta atual,  e para cada arquivo encontrado ele abre o arquivo utilizando o script previamente criado, que faz com que o Vim modifique o charset/encoding, salve e fecha o arquivo em seguida dando continuidade a busca.

Algums links úteis caso queira se aprofundar no assunto:

Tutorial para criação de scripts do Vim

Exemplos de scripts

Mais sobre o Vim na Wikipedia

Quantitativo vs Qualitativo

Quantitativo vs Qualitativo

Quantitativo vs QualitativoEm analises de dados precisamos conseguir distinguir os tipos de informações das quais dispomos para que possamos aplicar de forma apropriada as diferentes ferramentas de análise. Neste post iremos ver de forma prática as principais diferenças entre estes dois tipos de dados e em que esta diferença pode nos ajudar.

Continue lendo

R Datasets – chickwts

chickwts

R barplot result

R barplot result

Este é um DataFrame resultante de um estudo feito com 50 frangos distribuidos aleatoriamente em seis grupos, e cada um deste seis grupos foram alimentados com seis tipos distintos de suplementos. O objetivo deste estudo é identificar o tipo de alimento que propicia o melhor ganho de peso.

Continue lendo

Excel logo

Excel vs R Quando utilizar

R logo

R logo

Excel vs R – Porque comparar ?

Estas duas ferramentas possuem funcionalidades semelhantes e por isso gera este tipo de questionamento, se são parecidas então não preciso estudar as duas ?! Qual a melhor ? Este tipo de pergunta é aceitável e justificável para ferramentas novas ou que possuem uma grande diferença de “idade”. No caso do Excel e do R, talvez seja um pouco diferente porque são duas ferramentas criadas a muito tempo e as duas vem se mantendo firmes no mercado, o Excel como ferramenta fortemente presente em quase todos os ambientes corporativos, e o R como uma ferramenta poderosa na análise de dados. Continue lendo este post que eu espero que lhe auxilie nesta decisão.

Continue lendo

Conectando-se ao Oracle com java JDBC

Conectar java ao banco de dados oracle com jdbc connect to oracle with jdbc

Oracle

O JDBC é a sigla de Java Data Base Connector e é uma das maiores vantagens de se utilizar o Java, pela grande facilidade de se conectar a diversos bancos de dados com o mesmo código fonte.

Para começar a utilizar você deve seguir os seguintes passos:

  1. Faça o download do driver no site da Oracle
  2. Adicione o driver ao ClassPath da aplicação
  3. Utilize o código abaixo para criação da conexão com o banco Oracle

Abaixo você pode ver um exemplo de como inicializar uma nova conexão com o banco de dados. Para se conectar com outros bancos basta mudar a String com o nome da classe do driver e a String com a URL de conexão com o banco.

Outras Strings de Conexão( ConnectionString ):

Banco classe do driver url de Conexão
MySQL com.mysql.jdbc.Driver jdbc:mysql://hostname/ databaseName
ORACLE oracle.jdbc.driver.OracleDriver jdbc:oracle:thin:@hostname:port Number:databaseName
DB2 COM.ibm.db2.jdbc.net.DB2Driver jdbc:db2:hostname:port Number/databaseName
Sybase com.sybase.jdbc.SybDriver jdbc:sybase:Tds:hostname: port Number/databaseName